Falando sobre tudo

Falando sobre tudo

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Titãs - Epitacio


Duas Meninas - Angelo e Desiré


Relato de uma Lésbica Participativa




Sou uma Lésbica Participativa, tenho 39 anos e adoro sexo e com mulheres. na cama dou e recebo carinho, ou como vocês quiserem dizer, como e sou comida. (risos). Afinal, somos duas mulheres com sede de amor e sexo.  Ninguém faz um papel de macho ou fêmea, somos iguais tanto biologicamente quanto sexualmente. Nos amamos e uma satisfaz a outra.  Conversamos muito, antes de irmos pra cama e nesta conversa relatamos uma a outra as formas e como gostaríamos de ser tocadas e as formas que preferimos e fluiu. Estamos juntas, já fazem 2 anos e três meses, somos muito felizes juntas.
No dia a dia, nos duas juntas, decidimos por tudo, não existe dominador e dominada em momento algum, somos parceiras na cama e na vida. Nos entendemos bem assim e nossa vida flui de forma normal, dentro do mundo Lésbico, obvio.
Na rua, não somos escrachadas, apesar de assumirmos nossa relação para sociedade de fato e de direito, uma vez que somo casadas perante a lei e a sociedade. Quando fizemos nosso contrato no cartório, nos consideramos casadas de fato e de direito, para todos os efeitos que por ventura venham a aparecer, ao longo da vida.
Enfim, somos duas mulheres que se amam e se respeitam e é isso.

Relato de uma Lésbica Relativa




Sou uma lésbica e sou uma lésbica relativa, ou seja,  posso ser ativa para uma pessoa passiva e posso ser passiva para uma pessoa ativa, enfim.  Não tenho problemas com isso, depende da pessoa que estou. Para mim, é uma questão de ordem sexual, acordada.  Se minha parceira, é somente passiva, então posso ser ativa para ela enquanto durar nosso relacionamento e se minha parceira é somente ativa, então posso ser ativa para ela da mesma forma que sou passiva,
Me considero boa nas duas coisas, só nunca consegui ser participativa, fazer os dois papeis ao mesmo tempo, requer um grande, enorme esforço, do qual não me acho inteiramente capaz. Até posso fazer, mas não é uma relação satisfatória e completa, para mim.  Minha cabeça meio que pira, quando tento fazer os dois papeis ao mesmo tempo, sei la eu por que disso.
Conheço pessoas que conseguem isso na boa, mas eu não. Posso até fazer, mas por carência afetiva, de momento ou por muito amor a pessoa, mas meio que me agrido de uma forma ou de outra, meio forçação de barra.
Nunca disse isso a ninguém, por que creio confundir a cabeça de outros com minha diversidade sexual, que funciona como Lésbica Relativa. 
Quando estou com uma mulherzinha, passivinha, ela chama, pede, implora pelo meu lado ativo, macho mesmo e ele vem, naturalmente. E vice versa, quando estou com uma ativaça, aff, meu lado feminino fica em pavorosa e sou muito mulher pra ela.
As vezes penso que sou uma Lésbica com sexualidade dupla, ou uma BI - sexual lésbica, sei la.  Deve ser uma coisa meio assim, dentro da diversidade sexual.
Li uma reportagem que falava de um transexual feminino, um cara que nasceu biologicamente mulher e operou e que se declarou viado, ou seja homossexual.
Li , também, numa de suas postagens, que quando um transexual opera vira um Heterosexual, por que operou e colocou um pênis ativo em seu corpo e hormônios masculinos, o transformando em um homem, com pelos no corpo, voz grossa , barba e tudo o mais, então ele é depois de operado, um homem ( transexual ). Então, se ele depois da operação se declara Homossexual e diz estar transando com homem, então existe a Bi sexualidade gay, correto? Etão se isso existe, então talvez eu seja uma Lésbica Bi sexual, ou seja, mulher biologicamente, com identidade sexual e orientação sexual Bi.
Uma mulher bissexual, é alguem que transa com homem e com mulher, e não necessariamente feminina sexualmente. Conheço uma Bissexual que é mulherissima para o marido e muito macho para a namorada. Já que eu não curto homens, e gosto de mulheres e sou muito mulher para uma ativa e muito macho para uma passiva, então me defino como Lésbica Bissexual Feminina.

Estou escrevendo este e-mail, por que em sua ultima postagem, você pede que comentemos sobre as diversidades sexuais que vocês ainda não postaram. 
Sou , atualmente, para o mundo gay, uma Lésbica Relativa, mas podemos então afirmar que sou na verdade uma Lésbica, Bissexual Feminina. O que acha de incluir também essa classificação nas Diversidades Sexuais?



Enviadio por e-mail 

Lésbica - Mulherissima, feminissima



"Sou uma homossexual assumidissima, feminissima, mulherissima e todos os "issimas" que você quiser acrescentar. Gosto de me relacionar com mulheres como eu, bem resolvidas, femininas e com ou todos os "issimas" que puder ter ou não, mas tem que ser mulher. 
Acho muito legal ter uma amiga a quem eu possa trocar confidências, vida, segredos e até prazer sexual. Isso é tudo de bom. Com homem, certamente não seria assim, uma vez que eles pensam diferente de nós e não gostam das mesmas coisas.
Eu e minha companheira, vestimos o mesmo numero de roupa, e gostamos quase que das mesmas coisas, isso facilita a relação.
A sociedade não liga pra nossa orientação sexual, por que passamos por desapercebidas, apesar de não esconder isso de ningúem. Mas também, né, não precisa colocar uma faixa no peito de " sou lésbica". Ninguém tem nada a ver com o que faço na cama e quem eu coloco lá. Não negamos e é evidente, para quem quiser ver, mas quem não quiser, pode passar desapercebido, com certeza.
Usamos salto alto e nos maquiamos uma a outra, somos vaidosíssimas e gostamos de ser assim. Gastamos uma grande parte de nossos salários comprando sapatos e maquiagem e isso nos satisfaz. 
Sexualmente, nos adaptamos e estamos satisfeitas. Ninguém aqui sobe em parede ou fica grudada no teto por falta de sexo e prazer.  Nunca usamos vibradores e nem didos, nos satisfazemos pelo sexo oral, além de muitas caricias e carinhos nas partes erógenas e sexuais. Temos como prática o tribadismo, por que desta forma nos completamos quando conseguimos gozar juntas, é a satisfação total para nós duas. Não queremos ter filhos  por enquanto, estamos juntas já tem 7 anos e queremos uma a outra para dedicar. Um filho teria que ser dividido em tudo e não queremos dividir nosso amor. Somos amigas, amantes, cúmplices, companheiras e estamos felizes e bem satisfeitas".

relato de: amigas perfeitas por e-mail

Rihana - Tributo as Lésbicas



quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Nunca te vi, sempre te amei

PARA SEU AMOR VIRTUAL!


                                                      NUNCA TE VI, SEMPRE TE AMEI!



Qual a diferença entre D/s e SM?



"Li, seu artigo sobre dommer e femmer e sobre sadomasoquismo e me veio a curiosidade de saber a diferença, já que nos dois casos tem o uma dominadora(o) e uma passiva? Aproveito para dizer que adoro seu blog, aprendi muitas coisas. beijos. Danyelle Coração de Limão



Bem, cara leitora, primeiro agradecemos pelo elogio e agora, respondendo sua pergunta: Existem divergências entre os praticantes quanto a tentativas de classificar as relações como D/s ou SM, sendo um dos fatores que contribuiu para o uso do termo BDSM, por ser mais genérico. A relação D/s diferente da SM, tende a ser mais romântica e muitas vezes se tornam relacionamentos duradouros, inclusive. Contudo o romantismo nesse tipo de relação não é uma unanimidade entre os praticantes. As pessoas que optam pela submissão na relação D/s, supostamente se diferenciam dos que se denominam escravos(as) pois seriam mais propensos a se importarem apenas com o prazer físico imposto pelos castigos e estariam mais ligados ao SM do que ao D/s. Espero ter respondido de forma a tirar sua duvida. 

Um grande abraço

AtivaRomantica

Só 2% se previne de DSTs


Só 2% das lésbicas de SP se previnem no sexo, revela pesquisa




Apenas 2% das mulheres que vivem na capital de São Paulo se previvem nas relações sexuais com outra mulher, aponta novo estudo da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. A maioria das homossexuais alegou ter parceiras fixas e desconhecer correr os mesmo riscos de contrair DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) como os das que se relacionam com homens. 
“Várias razões foram apontadas pelas mulheres para justificar o sexo desprotegido, como a falta de noção de risco, a confiança na parceira e o desconhecimento de métodos de prevenção”, explica o ginecologista Valdir Monteiro, autor do estudo feito no Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP com 145 lésbicas entre 18 e 61 anos.
Cerca de 50 mulheres, mais de um terço das entrevistadas (33,8%), tinham vaginose bacteriana, uma síndrome clínica correspondente à principal causa do corrimento vaginal. Das mulheres que fizeram o exame Papanicolaou, 7,7% tiveram um resultado anormal, sendo detectada HPV (papiloma vírus humano) em 6,3% deste grupo. Já os exames para fungos mostrou crescimento em 25,6%, de 31 para 121 das amostras.
Entre as hepatites, 7% das entrevistadas estavam infectadas com hepatite B e outras 2,1%, com hepatite C. No caso do vírus da Aids, das 136 mulheres que fizeram o teste, 2,9% receberam diagnóstico positivo.
O estudo também observou diagnóstico de tricomoníase em 3,5% das mulheres examinadas. A doença causa uma infecção dos genitais e pode não apresentar sintomas comuns, como corrimento abundante e de mau cheiro, coceira, dor abdominal e ardência ao urinar.
Prevenção
Monteiro aconselha às mulheres o uso de quadrados de látex, vendidos em casas de material odontológico, protetores de língua ou mesmo a camisinha convencional cortada em sentido longitudinal na hora do sexo oral. “A prática é alta entre mulheres e nem sempre elas usam meios de proteção.”
O estudo também perguntou às mulheres sobre o uso do acessório sexual. Cerca de 33,1% das entrevistadas relataram levar objetos para a cama, sendo o pênis de borracha o mais usado (70,8%). O uso compartilhado foi citado por 45,8% das mulheres, mas a maioria delas (54,5%) disse colocar novo preservativo na troca do objeto sexual com a parceira.
O ginecologista lembra que a camisinha é essencial no uso de acessórios e brinquedos, principalmente se elas são divididos com a namorada. E que, se surgirem corrimento vaginal, dor durante relações sexuais, verrugas, coceira ou feridas nos genitais, elas devem procurar um médico imediatamente.
Orientações sobre DSTs, prevenção e tratamento podem ser obtidas pelo Disk-Aids, serviço telefônico gratuito do órgão do governo estadual: 0800 16 25 50.

Existe neste blog postagem sobre Doenças Sexualmente Transmissivel entre mulheres, veja na seção mulheres.





Recomeçar - autor desconhecido





Recomeçar. Uma palavra que inspira medo e esperança ao mesmo tempo, num sentimento ambíguo tão típico do ser humano.

Recomeçar significa estar exposto aos mesmos erros e perigos já vividos, poder ser enganado novamente, sofrer decepções e todos os riscos que implicam o fazer um novo trajeto. Se a perspectiva for só por esse ângulo, realmente é de se temer o recomeçar.

Ocorre que o medo turva os olhos, restringe horizontes, esconde as oportunidades. Recomeçar é dar uma nova chance à vida, chance de fazer melhor, corrigir erros, aprender, evoluir. Recomeçar é ter uma – ou várias – páginas em branco, esperando que nela escrevamos uma nova história, aquela em que somos os autores e podemos criar cenários e enredos.

Recomeçar como recomeçam as árvores toda primavera, vestindo de verdes os galhos queimados pelo frio o inverno. Recomeçar.

É preciso coragem, força e uma dose de imprudência. Sim, essa imprudência que fazia Santos-Dumont arriscar-se pelos céus, que fez Vasco da Gama atirar-se por mares “nunca dantes navegados”. Imprudência dos amantes que se esquecem do mundo e das convenções em nome do sentimento.

Andar por novos caminhos, conhecer outras gentes, ver novos lugares. “A beleza das coisas e das gentes não está nelas, mas nos olhos de quem vê”, repete Lobato insistentemente ao meu ouvido. E repete ainda a frase que sempre dizia ao Rangel: “A coisa que menos me mete medo é o futuro”. Grande Lobato, você tem razão.

Renascer. Reviver. Reinventar.

Recomeçar.

O caminho está nos esperando.


Enviado por Amanda Lopes que extraiu do site http://boa-semana.blogspot.com/2007/10/recomear.html

Cecilia Meireles IV





PERGUNTO-TE ONDE SE ACHA A MINHA VIDA

Pergunto-te onde se acha a minha vida.
Em que dia fui eu. Que hora existiu formada
de uma verdade minha bem possuída

Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada.

E a quem é que pergunto? Em quem penso, iludida
por esperanças hereditárias? E de cada
pergunta minha vai nascendo a sombra imensa
que envolve a posição dos olhos de quem pensa.

Já não sei mais a diferença
de ti, de mim, da coisa perguntada,
do silêncio da coisa irrespondida.
Cecília Meireles

Ligadas pelo desejo


LIGADAS PELO DESEJO



FICHA TÉCNICA


Direção: Andy WachowskiLana Wachowski
Roteiro: Andy WachowskiLana Wachowski
Gênero: Drama/Suspense
Origem: Estados Unidos
Duração: 108 minutos



Violet está cansada de ser mal-tratada pelo seu marido, Caesar, um chefão da Máfia. Ela acaba se envolvendo em uma relação homossexual com uma ex-presidiária, e ambas acabam se apaixonando. Com o objetivo de ficarem livres, armam um plano para matar Caesar, ficar com seu dinheiro e fugir. O filme é conhecido pelas suas cenas de sexo entre as mulheres e por ter dado aos irmãos Wachowski a confiança para, três anos mais tarde, realizarem Matrix.



segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Lésbicas são expulsas por beijar em bar da lapa/RJ

Lésbicas expulsas de bar após beijo reclamam de atendimento da polícia

17/01/2013

Depois de serem expulsas do Restaurante Victor, na Lapa, no Centro do Rio, por causa de um beijo, as estudantes Mariana Correia, de 24 anos, e Caroline Pavão, de 21, afirmam ter encontrado dificuldade na hora de registrar a ocorrência policial, conforme informou a Rádio CBN .
As meninas dizem ter levado cerca de quatro horas para concluir o registro na 5ª DP (Mem de Sá), no Centro do Rio, na manhã desta quarta-feira (16).
Segundo o assessor jurídico da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual do Rio (CEDS), Carlos Alexandre, os agentes tentaram convencê-las a não registrar o boletim de ocorrência. Teriam pedido também que procurassem por conta própria o homem que mandou as duas saírem do restaurante.
“Elas sofreram um segundo constrangimento pelo que foi dito, porque passaram quatro horas na delegacia de polícia tentando fazer a ocorrência. Tentaram convencer a não fazer, que não ia dar em nada. E, segundo elas, na delegacia pediram que procurassem um amiguinho que tentasse descobrir quem era o autor do fato, porque se não ficava muito difícil. A Mariana inclusive queria desistir, a Caroline insistiu e fez o registro de ocorrência depois de quatro horas”, disse Carlos Alexandre à Rádio CBN.
De acordo com a CBN, a Polícia Civil não localizou o delegado responsável pelo caso.
As meninas prestaram queixa contra o estabelecimento comercial. Serão colhidos os documentos comprobatórios e reunidas as testemunhas que possam confirmar o descumprimento da Lei municipal 2475/96, que proíbe a discriminação ligada à identidade de gênero ou orientação sexual. O estabelecimento será notificado e terá que prestar esclarecimentos.


Entenda o caso

Após pedirem uma cerveja e se beijarem no Restaurante Victor, as estudantes afirmam que foram expulsas do estabelecimento. Um homem de cabelos brancos teria sacudido Mariana pelo ombro e exigido que as duas saíssem do local, pois, segundo ele, aquela era uma atitude proibida. O caso aconteceu sábado (12).

“Depois disso eu peguei minhas coisas, fui até ele para questionar por que ele não gostava, o que não podia fazer ali, mas ele só ficava repetindo ‘não pode isso’, sem dar nenhum argumento consistente. Aí eu comecei a incitar e perguntar ‘É porque eu estava com uma menina? Se eu tivesse com um rapaz você teria me abordado, você teria me sacudido e pedido para eu sair?'”, contou Mariana.
A reportagem da CBN esteve no restaurante Victor, na Rua do Riachuelo, número 32, na companhia de Mariana Correia. O homem que a expulsou no último sábado não foi encontrado. O gerente da casa, que não quis gravar entrevista, alegou que o homem não trabalha no estabelecimento nem seria cliente do local.
Mariana e Caroline vão registrar o boletim de ocorrência e, então, serão recebidas pelos advogados do Centro de Referência LGBT nesta quarta-feira (16) para formalizar a denúncia na Secretaria de Estado do Governo.
Omissão

O coordenador do Centro de Referência LGBT, Almir França, afirmou que o restaurante é responsável pela omissão. “Com que autonomia, com que autoridade ele pode fazer isso? Com certeza ele é funcionário. Provavelmente não é funcionário registrado, eles usam dessa artimanha. Então o estabelecimento é que é denunciado, porque ocorreu dentro do estabelecimento. E se esse estabelecimento não for cuidadoso com o caso, ele também será notificado", afirmou.

Segundo a estudante Mariana, essa não foi a primeira vez que sofreu preconceito por sua orientação sexual. Ela já foi agredida com o soco no olho por um homem em uma boate, quando estava acompanhada de uma mulher. A polícia foi chamada. O agressor foi condenado a pagar cestas básicas, o que para ela desmotiva a denúncia

Extraído na integra do site: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/01/lebicas-expulsas-de-bar-apos-beijo-reclamam-de-atendimento-da-policia.html

Justiça absolve acusado de matar lesbica

Justiça do DF absolve acusado de matar lésbica a mando do pai dela

Tribunal do Júri do Gama absolveu nesta quinta (17) Dione Wagner Santos Silva da acusação de matar Edna Fernandes Liocádio a mando do pai e do irmão da moça, que não aceitavam o fato dela ser homossexual. O Conselho de Sentença não reconheceu como suficientes as provas apresentadas, para comprovar a autoria do homicídio pelo qual Dione respondia.
Durante o julgamento, o próprio Ministério Público pediu a absolvição do réu por falta de provas. Já a defesa sustentou a tese de negativa de autoria e os jurados votaram pela absolvição de Dione. Segundo a acusação, o pai e o irmão da moça teriam prometido um pagamento de R$ 300 a Dione pelo crime. Gonçalves Liocádio e Eudes Fernando Liocádio chegaram a ser denunciados pelo crime, mas morreram e a punição foi extinta. Apenas Dione, de quem se suspeitava ter recebido dinheiro para executar o crime, veio a júri popular.
O crime aconteceu em novembro de 2004, em um bar do Setor Oeste do Gama, quando Dione e outro rapaz dispararam várias vezes contra Edna Fernandes Liocádio, que morreu. Dois homens que estavam no local também ficaram feridos. Testemunhas contaram em depoimento em juízo que ouviram comentários de que o pai da vítima teria sido o mandante do homicídio e que o motivo era a orientação sexual da filha.
Extraído na integra do site:
http://camaraempauta.com.br/portal/artigo/ver/id/4143/nome/Justica_do_DF_absolve_acusado_de_matar_lesbica_a_mando_do_pai_dela

Vitoria ACosta X









ETERNO AMOR

Por Vitoria Acosta

Lembrar de passado é sofrer várias vezes,
Mas impossível seria não lembrar de um grande amor,
Mesmo que não tenha sido tão maravilhoso quanto nos sonhos

O amor é um sentimento que necessita da reciprocidade
Para que seja feliz, do contrario só alcançará a beleza da tristeza
Dos sentimentos solitários.

A felicidade do coração esta na junção dos sentimentos da alma,
Na alegria do coração e na paz da união de corpos, quando explodem
No prazer dos sentimentos sentidos e vividos

Todo meu amor, esta concentrado em uma só mulher e
Por isso não consigo amar nem a mim mesmo
Triste o poeta que expressa sentimento outrora feliz

A solidão dos sentimentos profundos é na verdade
O que move o poeta em seus mal traçados sentimentos

Sem você, nunca serei completo, nunca seria completamente feliz
Por que a felicidade do amor  só existira se você estiver comigo
Se for minha e eu seu, se formos nos

Tenho a felicidade da vida e da existência, mas sem você
Jamais terei a felicidade do coração

E por isso continuarei sendo um poeta pela metade,
Transmitindo sentimentos não partilhados e muitos nem vividos
Um poeta do amor e de sentimentos, apenas um poeta e um sofredor

Bruno Mars - When I was your man







When I Was Your Man 
Same day, but it feels just a little bit bigger now
Our song on the radio, but it don't sound the same
When our friends talk about you
All that it does is just tear me down
Cause my heart breaks a little
When I hear your name
And all just sounds like ooh, ooh, ooh, ooh, ooh


Too young, too dumb to realize
That I should have bought you flowers and held your hand
Should have giggled all my hours when I had the chance
Take you to every party
Cause all you wanted to do was dance
Now my baby is dancing, but she's dancing
With another man


My pride, my ego
My needs and my selfish ways
Caused a good strong woman like you
To walk out my life
Now I never, never get to clean out
The mess I'm in
And it hurts me every time I close my eyes
It all just sounds like ooh, ooh, ooh, ooh, ooh


Too young, to dumb to realize
That I should have bought you flowers and held your hand
Should have giggled all my hours when I had the chance
Take you to every party
Cause all you wanted to do was dance
Now my baby is dancing, but she's dancing
With another man


Although it hurts
I'll be the first to say that I was wrong
Oh, I know I'm probably much too late
To try and apologize for my mistakes
But I just want you to know
I hope he buys you flowers, I hope he holds yours hands
Give you all his hours when he has the chance
Take you to every party cause I remember
How much you loved to dance
Do all the things I should have done
When I was your man


Do all the things I should have done
When I was your man

TRADUÇÃO


Quando eu era o seu homem 
O mesmo dia, mas a sensação é um pouco maior agora
Nossa canção no rádio, mas ela não soa como antes
Quando nossos amigos falam sobre você
Tudo o que isso faz é me arruinar
Porque meu coração se parte um pouco
Quando ouço o seu nome
E tudo soa como uh, uh, uh, uh, uh


Jovem demais, tolo demais para perceber
Que eu deveria ter lhe comprado flores e segurado sua mão
Deveria ter dado risadas sempre que tinha a chance
Ter levado você a todas as festas
Porque tudo o que queria era dançar
Agora minha garota está dançando, mas está dançando
Com outro homem


Meu orgulho, meu ego
Minhas necessidades e meu jeito egoísta
Fizeram uma mulher boa e forte como você
Sair da minha vida
Agora nunca, nunca conseguirei limpar
A bagunça em que me meti
E dói sempre que fecho meus olhos
Tudo isso soa como uh, uh, uh, uh, uh


Jovem demais, tolo demais para perceber
Que eu deveria ter lhe comprado flores e segurado sua mão
Deveria ter dado risadas sempre que tinha a chance
Ter levado você a todas as festas
Porque tudo o que queria era dançar
Agora minha garota está dançando, mas está dançando
Com outro homem


Apesar de doer
Serei o primeiro a dizer que eu estava errado
Oh, sei que provavelmente estou muito atrasado
Para tentar me desculpar pelos meus erros
Mas eu só quero que você saiba
Espero que ele lhe compre flores, que ele segure suas mãos
Que lhe dê todas as suas horas quando tiver a chance
Que leve você a todas as festas porque eu me lembro
De quanto você amava dançar
Que faça todas as coisas que eu deveria ter feito
Quando eu era o seu homem


Que faça todas as coisas que eu deveria ter feito
Quando eu era o seu homem



segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Lésbicas brigam e vão parar na delegacia


Lésbicas brigam e vão parar na delegacia






Uma briga na madrugada desta quarta-feira 4 em Cruz das Armas na Bahia acabou com a detenção de quatro mulheres. A confusão foi provocada por ciúmes.

Viviane de Paula Araújo invadiu uma casa onde estaria sua namorada. A garota estava na companhia de outras mulheres e avisou que o relacionamento estava terminado.

Transtornada, Viviane derrubou o portão, derrubou a porta e promoveu quebradeira na casa, que pertence a Rita de Cássia Coutinho do Nascimento.

Rita estava trabalhando e foi avisada por vizinhos da confusão.
A delegada Tereza Nogueira, da primeira Delegacia Distrital de Cruz das Armas, ouviu as mulheres, deteve Viviane e liberou as demais.
Correio da Paraíba
Extraído na integra do site: http://joaoesocorro.wordpress.com/2012/01/04/lesbicas-brigam-e-vao-parar-na-delegacia/



Gostaria de saber se uma mulher que bate na sua companheira é crime e pode ser processada?
Menina Triste , por MSN


Boa Tarde, menina triste! Sim, comete crime de agressão e você deverá procurar a Delegacia de Mulheres, cujo os endereços encontram-se neste blog na seção agressão e violencia domestica, inclusive em todo o Brasil,.

A  Lei nº 11.340/2006 (Lei Maria da Penha) trata da violência doméstica e familiar contra a mulher, conforme pode-se observar no artigo 1º da lei (postado ao final), portanto todo tipo de violência doméstica e familiar contra a mulher está sob a égide da referida lei, não importando quem seja o agressor, se homossexual ou heterosexual, ou homem ou mulher, ok?

Inclusive se vocês moram juntas, na mesma casa, podera ainda, requerer os beneficios de proteção

Dita o art 1º da Lei 11.340/2006:


Art. 1o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar.

Bruno Mars - Talking to the moon



Talking To The Moon










I know you're somewhere out there
Somewhere far away
I want you back
I want you back
My neighbours think I'm crazy
But they don't understand
You're all I have
You're all I have

(Chorus:)
At night when the stars light up my room
I sit by myself
Talking to the Moon
Try to get to you
In hopes you're on the other side
Talking to me too
Or am I a fool who sits alone
Talking to the moon?

I'm feeling like I'm famous
The talk of the town
They say I've gone mad
Yeah, I've gone mad
But they don't know what I know
Cause when the sun goes down
Someone's talking back
Yeah, they're talking back

(Chorus:)
At night when the stars light up my room
I sit by myself
Talking to the Moon
Try to get to you
In hopes you're on the other side
Talking to me too
Or am I a fool who sits alone
Talking to the moon?

Ahh... Ahh... Ahh...
Do you ever hear me calling?
(Ahh... Ahh... Ahh...)
Oh oh ooh oooh

'Cause every night
I'm talking to the Moon
Still try to get to you
In hopes you're on the other side
Talking to me too
Or am I a fool who sits alone
Talking to the moon?

Ohoooo...

I know you're somewhere out there
Somewhere far away


TRADUÇÃO

Eu sei que você está em algum lugar lá fora
Em algum lugar longe
Eu quero você de volta
Eu quero você de volta
Meus vizinhos pensam
Eu sou louco
Mas eles não entendem
Você é tudo que eu tenho
Você é tudo que eu tenho



À noite, quando as estrelas
Ilumine meu quarto
Sento-me por mim mesmo
Conversando com a lua
Tento chegar até você
Na esperança de que você está  no
 outro lado
Falando para mim também
Ou eu sou um tolo
Quem senta-se sozinho
Conversando com a lua



Estou me sentindo como se eu fosse famoso
O assunto da cidade
Eles dizem que
Eu tenho sido louco
Sim, eu fui louco
Mas eles não sabem
O que eu sei



Porque quando o
Sol se põe
Alguém está falando de volta
Sim, eles estão falando de volta



À noite, quando as estrelas
Ilumine meu quarto
Sento-me por mim mesmo
Conversando com a lua
Tente chegar até você
Na esperança de que você está 
no outro lado
Falando para mim também
Ou eu sou um tolo
Quem senta-se sozinho
Conversando com a lua



Você me ouve chamando?
Pois toda noite
Eu estou falando com a lua
Ainda tentando chegar até você



Na esperança de que você está 
no outro lado
Falando para mim também
Ou eu sou um tolo
Quem senta-se sozinho
Conversando com a lua



Eu sei que você está em algum lugar lá fora
Em algum lugar longe